Os pé-sujos mais queridos – parte 3

Olá pessoal. Hoje reservei o espaço aqui para a publicação das contribuições enviadas por vocês, queridos leitores. Tenho perguntado quais são os pé-sujos que vocês mais gostam. Os mais queridos. E dessa vez vou dar um pitacos também…

Para participar, envie um e-mail para o Bar do Celso com endereço do boteco (localização aproximada, se não souber), fotos e um comentário sobre ele. Vale da capital ou interior. Podem mandar que publico aqui, com os devidos créditos. Essa é minha tentativa de dar o devido reconhecimento para esses locais tão informais e cheios de histórias.

A jornalista Gisele Hishida, por exemplo, me passou esses dias duas indicações preciosas aqui de Curitiba. O primeiro é o Claymore, no bairro Água Verde, na Rua Amazonas esquina com a Rua São Paulo, ao lado da praça Guanabara. Segundo ela, uma das melhores costelinhas de porco da cidade.

Luís Celso Jr./Gazeta do Povo
A Mercearia Fantinato tem a mesma decoração desde 1953

A segunda dica é a Mercearia Fantinato (Rua Mateus Leme, 2553 – Bom Retiro). Local com uma decoração lindíssima de mercearia antiga. Segundo consta, é a mesma desde 1953. Coisa linda! Outra dica é a cachacinha de butiá, uma dos pedidos mais recorrentes dos clientes da casa.

Já o leitor Dimas Lange escreve o seguinte: “Creio que o boteco mais pé-sujo e pitoresco da cidade é o ‘Pato de borracha‘. Uma casa antiquíssima (sem exagero) na esquina da Sete de Setembro com a Desembargador Motta. Abre de vez em quando, me parece que só á noite de quarta a sexta. O que chama a atenção é o ‘naipe’ do pé-sujo localizado no Batel, em frente ao Shopping Curitiba”.

Agora, os meus pitacos para quem gosta de pé-sujo. Sugestão de dois botecos aqui de Curitiba que adoro.

Luís Celso Jr./Gazeta do Povo
O Torto, boteco com decoração dedicada ao craque Garrincha, é um verdadeiro clássico da boemia curitibana

O primeiro é O Torto, bar do Arlindo Ventura (O Magrão), dedicado ao Garrincha. É um clássico da boemia curitibana, todo decorado com recortes de reportagens, fotos e tudo que tenha o nome do jogador de futebol. Há muita coisa para falar dele, mas isso vale um outro post interiro sobre esse boteco. Por enquanto, deixo só a dica. Vale a pena tomar uma cervejinha e comer um bolinho de carne lá. O bar fica na Rua Paula Gomes, 354, no São Franciso. É um local pequeno, e muita gente fica bebendo para o lado de fora. Não tem como não ver.

Luís Celso Jr./Gazeta do Povo
O público universitário é predominante no Gata Comeu, que fica perto do prédio da Reitoria da UFPR

A minha segunda dica é o Gata Comeu, boteco que fica na Ubaldino do Amaral, quase esquina com a Rua XV de Novembro, próximo a reitoria. É bastante frequentado por universitários da UFPR. Tem sinuca e cerveja gelada.

***

Outras dicas de leitores:

A Josi Ferreira indica uma notícia inusitada. Um ladrão invadiu uma casa nos EUA e foi flagrado pelo proprietário. Esperto, o dono da residência viu que ele estava bêbado e ofereceu uma cervejinha para o larápio sair da casa. A proposta foi aceita. E a cerveja era sem álcool!

O René Ruschel indicou um blog, o Tire as mãos do meu pé-sujo, que achei interessante e bem humorado. Segue o escrito: “Caro Celso: sou jornalista em Curitiba e lendo seu blog aproveito para divulgar outro. Um grupo de amigos no Rio montou tbém um blog que já conta com ‘correspondentes’ até no exterior. A ideia inicial era defender o consumo das cervejas de garrafa, mas o principal é criar uma harmonia entre aqueles que apreciam uma boa cerveja”.

Minha dica de leitura é o blog Pé-sujo, do Juarez Becoza, meu ídolo boêmio. O Bar do Celso é sim inspirado nele. O Juarez traz há anos histórias de boemia para sua coluna no jornal O Globo e praticamente levantou isso em blogs, na internet. Vale dar uma passada lá, ler o texto super bem escrito dele e conferir histórias da boemia carioca.

nv-author-image

Luís Celso Jr.

Luís Celso Jr. é jornalista e sommelier de cervejas premiado. Também é professor, juiz e consultor de cervejas. Leia mais sobre ele aqui e conheça oClube BarDoCelso.com aqui.

5 comentários em “Os pé-sujos mais queridos – parte 3”

  1. Salve, Celso!!!
    Eu gostaria de indicar o Rizzi Bar com um dos melhores pé-sujos, especialmente pelo excelente atendimento dado pelos proprietários, composto por um casal de idosos.
    Tem churrasqueira à disposição, cerveja de todas as marcas sempre gelada e, claro, algumas telas para assistir o jogo da rodada.
    Não sei te dizer o endereço, mas sim onde fica. Ao final da Artur Bernardes, em direção ao Portão, logo depois do Walmart, vira-se à direita e depois à esquerda. O bar fica na próxima esq

  2. oi.parabéns pelo seu blog. eu não acho o bar do torto seja um pé sujo… como vc diz. acho que é muito moderno e com cara de boteco. mas é um bar normal. pé sujo de verdade não tem garçom nem muito menos cobra 10%. minha sugestão é a MERCEARIA BOM JESUS . ninguém conhece por esse nome. é o Miltinho… um misto de mercearia, loja 1,99 e bar… vende de tudo da cerveja, sanduiche de mortadela atéé enfeites para casa…vale a pena a visita rua dom pedro II entre a castro e prof luiz cesar a.verde

Deixe uma resposta para Josi Ferreira Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *