Fábrica da Heineken no Brasil não fica devendo nada para as gringas

Luís Celso Jr.
Equipamentos de segurnaça vestidos e grupo pronto: a visita vai começar

Na segunda-feira (3) fiz uma visita à fábrica da Heineken em Jacareí, na região do Vale do Paraíba, junto com um grupo de blogueiros de cerveja, marketing e outros assuntos. No início desse ano, também tive a oportunidade de visitar duas mega fábricas da marca na Holanda: Den Bosch e Zoeterwoude. Comparando agora, posso dizer que assim como no ramo artesanal, as cervejarias de larga escala brasileiras não ficam devendo nada para as de fora.

Luís Celso Jr.
Sala dos fermentadores: sob de 300 a 400 mil litros de cerveja

O fator principal é o produto. A cerveja tem qualidade comparável e até superior em certos casos. E entendamos aqui qualidade como a capacidade de reproduzir a fórmula de forma padronizada, a fim de garantir o melhor resultado, seja qual for a proposta. Prova disso são as premiações internacionais que já foram conquistadas. A Heineken de Jacareí também já foi escolhida como a melhor entre todas as feitas pelas fábricas da marca.

Luís Celso Jr.
Sala de degustação: análises sensoriais compartilhadas com a unidade holandesa

É claro que existem diferenças. Uma das que mais salta aos olhos é a o maquinário. As fábricas de fora têm equipamentos mais modernos e de maior capacidade, para suportar toda a demanda que sofrem – ambas fornecem produtos também para exportação. Aqui, toda a infraestrutura necessária está presente, mas não tão moderna.

Luís Celso Jr.
Degustação direto do fermentador: essa só no Brasil!

No entanto, uma cervejaria é feita de muito mais do que máquinas. São principalmente pessoas. E isso parece ser ressaltado aqui no Brasil. O passeio que fizemos foi um bom exemplo. Enquanto na Holanda fizemos uma visita programada, com horários precisos, permissões e restrições super respeitadas, aqui o “modus operandi” brasileiro garantiu experiências únicas.

A visita

Na chegada, Carlos Dias, Relações Corporativas da empresa, nos deu uma palestra para nivelar o conhecimento dos cerca de 30 visitantes sobre cerveja e sobre a Heineken. Em seguida, devidamente vestidos com os equipamentos de segurança, iniciamos a visita pela sala dos fermentadores. Seguimos para o laboratório, onde conhecemos até as instalações da sala de degustação, onde as avaliações das cervejas são compartilhadas com a matriz na Holanda.

Uma das sensações bacanas que só tive por aqui foi poder descer na área de envasamento, perto do maquinário. Após avistarmos todo o processo da passarela superior, fomos até o chão da fábrica, ver de perto como funcionava. Na Holanda, vi de perto a linha de envase do barril de Kaiser, feito totalmente lá, mas era um processo muito mais específico.

Outra coisa bacana foi o encerramento do passeio. Degustamos chope Heineken direto do tanque, fresquinho. Uma oportunidade difícil de imaginar fora daqui.

Luís Celso Jr.
Envasamento: 2 mil latas por minuto!

A última etapa, já na sala de recepção novamente, foi uma degustação conduzida pelo mestre cervejeiro Alfredo Ferreira, recém-contratado da Heineken. Alfredo é formado pela Doemens Academy, de Munique, e também é professor do curso de sommelier de cerveja da Associação Brasileira de Sommeliers de São Paulo (ABS-SP). Degustamos os rótulos Heineken, Edelweiss e Murphy’s Irish Red e a visita acabou com gostinho de quero mais.

Luís Celso Jr.

Agradeço à Heineken pela oportunidade de ver tudo isso de perto e poder transmitir um pouco dessa experiência para vocês, leitores.

Acompanhe o Bar do Celso nos sites de redes sociais

– Google+: plus.google.com/107330340839164546695

– Twitter: http://twitter.com/bardocelso

– Facebook: http://www.facebook.com/bardocelso

– Foursquare: http://foursquare.com/bardocelso

– YouTube: http://www.youtube.com/bardocelso

nv-author-image

Luís Celso Jr.

Luís Celso Jr. é jornalista e sommelier de cervejas premiado. Também é professor, juiz e consultor de cervejas. Leia mais sobre ele aqui e conheça oClube BarDoCelso.com aqui.

4 comentários em “Fábrica da Heineken no Brasil não fica devendo nada para as gringas”

  1. Lázaro Filipe de Souza

    Muito bacana a coluna.
    Moro em Curitiba mas sou de Jacareí e não conheço a fábrica. Fico feliz em saber que de lá sai cerveja de boa qualidade.
    Só uma observação. A cidade fica no Vale do Paraíba mas não tem nada ver com o Litoral Norte, apesar da proximidade.
    Um Abraço.
    Ein prosit!

  2. Só uma correção: ou é Vale do Paraíba ou é Litoral Norte !!! Não existe Vale do Paraíba/Litoral Norte.
    Era mais fácil para localizar você colocar que é perto de São José dos Campos…

  3. Marcio Haicki

    Olá Roberta.
    Também estava nessa visita. Degustamos a cerveja do tanque de pressão e não do tanque de fermentação, ok?!
    Parabéns pelas fotos.
    abraço

  4. Muito Bom! Já trabalhei nesta empresa! Realmente a cerveja é feita com ótima qualidade e isto influência muito em seu sabor. Parabéns pela matéria! Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *