Artigos

Heineken compra Femsa. E você com isso?

By 11/01/2010julho 3rd, 202031 Comments
Divulgação

É a notícia cervejeira do dia. A holandesa Heineken comprou a mexicana Femsa por 7,6 bilhões de dólares. Com isso, a Heineken assume as operações da companhia no México e um fatia maior das operações no Brasil, dois dos mercados que mais crescem em volume no mundo. E é esse o pulo do gato!

Assim com a Schincariol, que comprou as cervejarias Devassa, Baden Baden e Eisenbahn, a Heineken pensa no futuro. Com a aquisição, somente no Brasil, a empresa deve abocanhar uma participação de 8% no mercado. Não muito se pensarmos no 70% que pertence a AmBev, mas o bastante para brigar pelo terceiro lugar com a cervejaria Petrópolis, que tem 9,6%, e até incomodar com a Schin, que tem 11,6%.

Segundo matéria publicada no site do O Estado de São Paulo, analistas de mercado elogiaram a iniciativa. Somente pela manhã, na bolsa holandesa, as ações da Heineken subiram 5%.

Aí aplica-se a lógica. Quanto maior a participação aqui e no México, mais dinheiro. E se os mercados crescem, mais dinheiro ainda. Isso é bom para eles.

E você com isso?

Hoje o mercado brasileiro tem um volume de consumo de cerveja per capita de cinquenta litros por ano, enquanto na República Checa o consumo é de aproximadamente 150 litros per capita. No nosso país, esse número só aumenta, enquanto lá fora há uma certa saturação, segundo matéria do O Globo.

E os dos nichos que mais devem crescer percentualmente são os segmento Premium e das cervejas especiais. Isso demonstra um certo apuramento do paladar do brasileiro, que está buscando novidades. E isso é bom para nós.

Um mercado que pede, é um mercado que ganha. Há, portando, o reconhecimento por parte das empresas do brasileiro como bom consumidor de cervejas. Esse é o grande mérito, na minha opinião.

Isso deve gerar maior facilidade de distribuição deve trazer mais marcas importadas a preços atraentes, assim como aconteceu com a AmBev na época da fusão com a Interbrew. Uma certa concorrência deve animar o mercado de cervejas, que deve se tornar também mais criativo para conquistar o cliente. Ou seja, teremos, aos poucos, mais acesso à qualidade.

A parte ruim, que consigo ver no calor do momento, é um tendência a termos cada vez mais gigantes cervejeiras. É notória a preocupação dessas empresas com o consumo em volume, contra a preocupação com a qualidade, comum nas pequenas.

E você, caro leitor, o que achou de tudo isso? Da compra, de mais cervejas?

[Update 12/01/2010] Pessoal, como alertou o Alessando, os dados de consumo per capita de cerveja estão errados na matéria do O Globo. No Brasil e no México, esse números giram em torno de 50 litros por pessoa por ano, segundo dados do Sindicerv (Sindicato Nacional da Indústri da Cerveja). Na República Checa, esse número chega a cerca de 150 litros por ano.

Luís Celso Jr.

Luís Celso Jr.

Luís Celso Jr. é jornalista e sommelier de cervejas premiado. Também é professor, juiz e consultor de cervejas

31 Comments

  • MaLuKo disse:

    se mais beras boas chegarem para a gente a um custo melhor isso vai ser bom… soh tenho medo de piorarem a heineken rs

  • Raphael disse:

    Água suja, kagaizer

  • AEE disse:

    aeee…
    tomara que tirem a kaiser de circulacao.

    aquilo em da dor de cabeca e de barriga no dia seguinte..

  • Cássio disse:

    “Per capta” não existe. A expressão latina correta é “per capita”, que significa literalmente “por cabeça”. Respeitar a linguagem e os leitores nunca é demais.

  • Celso disse:

    Olá pessoal, olá Cássio. Foi erro meu. Peço desculpas, principalmente se você se sentiu desrespeitado por um erro de digitação. Espero que nunca erre, já que não aceita o erro dos outros. Coloquei o “i” que tanto te ofendeu. Abraços

  • Alexandre disse:

    As cervejas sempre são bem-vindas… e há a oportunidade de ficar rico fabricando cervejas artesanais que porventura caiam no gosto popular.
    Experimentei a Opa! de Joinville e fiquei impressionado, muito boa, mas se ela entra no sistema industrialzão, só que acredito que o dono vai ficar beeem feliz com os bolsos estufados

  • Ricardo Ampudia disse:

    A concentração do mercado e da produção na mão de duas gigantes é preocupante como o monopólio de qualquer produto, tendo em vista práticas como cartel, tabela de preços e reajustes abusivos.
    Correndo em paralelo vai o mercado artesanal, só com 4,5% do mercado nacional, mas em expansão. O problema é que com o aumento dos impostos restritivos sobre a produção de cerveja, as grandes não tem grandes custos, enquanto os pequenos sofrem para produzir.

  • DILSON DOMINGUES DO NASCIMENTO disse:

    Deveriam aumentar o preço da cerveja em 1.000 %,só assim teriamos a tão sonhada paz no transito, outra ideia seria adicionar soda caustica, sendo assim diminuiria o consumo e acabaria por completo os bebuns.

  • João disse:

    aumentando as vendas e baixando o preço da heineken ta ótimo! Adoro essa cerveja!

  • Marco disse:

    O processo de fusao esta ocorrendo em todos os setores, cada vez mais, poucos terao o controle de todo mercado. Faz parte do crescimento da economia atual, e da economia de escala! Para nos, so vantagens, mais investimentos e qualidade de produto, alem de a Heineken ser sempre bem vinda!!

  • Alessandro disse:

    Celso, mesmo que de uma forma um pouco inapropriada, já que a matéria dO Globo é sobre cerveja, fica claro que a Lucianne Carneiro fala em consumo de ÁLCOOL per capita. O consumo de cerveja per capita no Brasil fica perto de 50 litros/ano, contra mais de 150 litros da Rep. Tcheca, líder mundial.

  • DOUGLAS disse:

    SE ESSa empresas renumerace os funcionarios como deveria…desse jeito é so crescer mesmo….e o coitado do operador e etc… ganhando um sálario que não tem cabimento…

  • Pannaka disse:

    Rapaz….o sujo compra o mal-lavado. Me desculpem, mas tomar remédio (Heineken) ou água-suja (Kaiser) é só na emergência mesmo, hehehehehe!!!

  • Celmira disse:

    Esse povo tá tão acostumado a tomar esse suco de milho vendido pela AMBEV, que acha estranho quando toma cerveja de verdade!!!

    Eisenbahn (Blumenau) e Opa Bier (Joinville) são as melhores cervejas nacionais, seguidos pela Bavaria Premium, produzida pela FEMSA.

    “Rapaz….o sujo compra o mal-lavado. Me desculpem, mas tomar remédio (Heineken) ou água-suja (Kaiser) é só na emergência mesmo, hehehehehe!!!”

  • Fernando disse:

    A ingestão de alcool e direção é segundo a Policia Rodoviaria Federal (acesse o site Dilson) é o 8º fator relevante em acidentes nas estradas, o primeiro é a falta de atenção, esse é um blog democrático é claro, mas é sobre cerveja e afins, se vc não gosta não generalize.

    http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,MUL1440345-5598,00-MORTE+DE+ANIMAL+EM+RODOVIA+FOI+CRIME+AMBIENTAL+DIZ+ADVOGADA.html

  • Adriano disse:

    Com certeza a Heineken, fez um bom negócio e trará algumas cervejas e todo expertise de uma das cervejas mais consumidas na Europa.

    O Barril da Heineken é show, imagina o que teremos de inovação neste sentido.

  • Lunático disse:

    Agora só falta o governo liberar o bolsa cerveja é o Brasil será um país perfeito.

  • Eduardo disse:

    Pannaka, seu apelido é totalmente justificado pelo seu comentário, pois chamar uma das marcas mais consumidas do mundo de remédio e a Kaiser de água suja, mostra que realmente você está no Blog errado, pois não entende nada de cerveja. No mínimo você deve ser consumidor de Skol, Bohemia, entre outras , que através de seu marketing maciço convencem o subdesenvolvido consumidor brasileiro de cerveja, de que são marcas de qualidade. E que venha a Heineken!!!

  • Raphael disse:

    Eduardo, o seu comentário foi completamente infeliz, como você, falando de uma cerveja de M…, água suja sim, da caganeira e é completamente ruim.
    Vai apurar seu paladar, Kaiser é a pior cerveja (se é que da para chamar assim)sem sombra de duvidas

  • Celso disse:

    Olá, pessoal. Conto com a colaboração de vocês para manter o nível da discussão, por favor. Vamos manter o foco no assunto em pauta, ok. Sem ataques pessoais.

  • Dudu disse:

    Senhores.. tanto faz qual vcs gostam mais… isso eh coisa de mulherzinha ficar discutindo o aroma, o lupulo… O obejtivo maior eh sempre o mesmo. Sair do corpo e ver o mundo girar.

  • Eduardo disse:

    Raphael, calma, calma!! Até parece que você trabalha na Ambev e sofreu uma lavagem cerebral para achar que aquelas marcas são as melhores. Lembre-se rapaz, que ter uma maior participação de mercado não significa ter qualidade,além do que, Kaiser é lider aqui em Curitiba, se informe melhor sobre os números! Sobre apurar meu paladar, prefiro não comentar, pois estou acostumado a cervejas premium como a Heineken. Espero que em breve você possa discutir o assunto com mais propriedade.

  • firmino disse:

    Vocês nasceram todos em prédio. O verdadeiro Brasil consome cachaça.

  • Raphael disse:

    4%, e tem gente que ainda quer discutir, sem comentários.

  • Raphael disse:

    4%

  • Raphael disse:

    Feita de milho e arroz consegue superar a água suja… Democracia meu amigo, o povo fala, 4% é ridiculamente insignificante.
    Agora, falando de cerveja, muito melhor que heineken, Skol e Kagaiser,temos melhores opções como: Serra Malte, Bohemia, Original, Baden Baden, Eisenbahn entre varias.

  • elcio disse:

    50 litros por ano? antes de acabar o mes, ja bebi mais que isto, sem exagero.

  • Raphael disse:

    Elcio, com certeza, sem exagero nenhum… mas se for Kagaiser, nem 300ml.

Leave a Reply