Crônica de 2ª: o fim do mundo


[Olá, pessoal. Para animar a segunda-feira, segue uma crônica minha no melhor estilo papo de bar publicada no Viver Bem de domingo (28)]

Quem anda de ônibus na capital paranaense está acostumado a um certo silêncio. Curitibanos típicos não são de falar alto em público. No transporte coletivo, então, há uma espécie de lei tácita determinando que não é de “bom tom” emitir sons com amplitude maior do que um cochicho. Tudo que foge à regra é normalmente censurado com olhares frios, também característicos da cidade.

No entanto, aprendi, como bom curitibano que sou, que, dependendo do assunto e humor, não se repreende ninguém. Tomados por um certo espírito vouyer, ou apenas aquele desejo que faz muita gente ouvir atrás da porta, deixa-se a conversa rolar só para ter o que comentar depois, entre exclamações de “absurdo!” ou muitas risadas. E assim, muitas conversas de celular viram motivo de chacota dos curiosos e intimidades tornam-se públicas.

Recentemente, três estudantes universitários pareciam não ligar muito para isso. Com autoridade de especialistas, o papo sobre física rolava descontraído, entre risadas e empurrões de uma viagem lotada do Pinheirinho até o Centro. O tema chamou atenção. Afinal, quem discute tal assunto rindo em pleno ônibus cheio?

– Dizem que todo o sol tem potencial para virar um buraco negro, diz uma moça.

– Isso poderia gerar o fim do universo. Toda a massa seria engolida depois da transformação até que sobrem buracos negros, acrescenta um rapaz de jaqueta de couro.

– Acho que no final todos se somariam até virar uma única e grande massa negra, completa outro rapaz, de boné.

Ela pensa e retruca:

– É uma hipótese. Mas é difícil dizer. A Física não explica os buracos negros…

– A Física clássica, alerta o de jaqueta. – A moderna já explica, mas só de forma estática.

– Mas a Física é uma ciência dinâmica.

– Mesmo assim há muitas coisas que ela não explica.

– Como o quê?, pergunta o de boné.

– Como cabe tanta gente no Inter 2, por exemplo. Muita massa, pouco espaço.

Mais uma pausa para a reflexão.

– Acho que o Inter 2 pode virar um buraco negro, devorar Curitiba e depois o planeta, diz o de boné.

Se eu fosse transformar esse papo em manchete de jornal, não teria dúvida: “Especialistas cogitam que fim do mundo pode começar em um ônibus da capital.”

Acompanhe o Bar do Celso na web

– Twitter: http://twitter.com/bardocelso

– Facebook: http://www.facebook.com/bardocelso

– Foursquare: http://foursquare.com/bardocelso

– YouTube: http://www.youtube.com/bardocelso

– Orkut: Comunidade eu frequento o Bar do Celso


Gostou do post? Então compartilhe com seus amigos – Bookmark and Share

nv-author-image

Luís Celso Jr.

Luís Celso Jr. é jornalista e sommelier de cervejas premiado. Também é professor, juiz e consultor de cervejas. Leia mais sobre ele aqui e conheça oClube BarDoCelso.com aqui.

3 comentários em “Crônica de 2ª: o fim do mundo”

  1. André Junqueira

    Sempre desconfiei que o Inter 2 e o fim do mundo estavam conectados.

    Obrigado por esclarecer de forma científica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *