“Dois dedinhos” sobre as bebidas alucinógenas

Estava navegando nos meus feeds quando me deparei com a notícia de que a Holanda lançou o licor de maconha. A nota foi originalmente publicada no blog Page Not Found, do Fernando Moreira, lugar divertidíssimo sobre as coisas mais bizarras. Vale pela curiosidade, mas quero deixar claro que o que escrevo aqui não é campanha por legalização, nem ao contrário, uma recriminação. Apenas um comentário. Porte e consumo de drogas em nosso país é crime, e isso é fato.

A coisa chama atenção por ser nova, mas não é de hoje que a humanidade produz as bebidas alucinógenas. O exemplo típico é o absinto – aquele original, dos idos tempos. Nunca provei, mas dizem que a primeira receita, que fez a fama da bebida, era um destilado forte “temperado” com ervinhas… Adivinha porque os bêbados vinham fadas verdes.

Provei alguns absintos, já sabendo antecipadamente que eram inofensivos. Fora a bebedeira, nada de anormal. Dizem que o que é comercializado hoje no país é apenas um licor da bebida original. Acho que nem isso.

Não lembro da marca, mas provei também, com amigos, um absinto theco. Fora o gosto de ervas (delicioso por sinal) e o sentimento de que a coisa era forte mesmo, também nenhum efeito anormal. O “barato” ficou por conta do ritual. Tomamos à moda tcheca, com açúcar queimado e flambando a bebida. Um show. Conto essa história depois.

Será que essa história de bebida alucinógena é lenda? O novo licor existe, mas só pode ser comercializada no Holanda, onde o consumo da droga é permitido. Há duas marcas: Squeeze Hennep e o Kierewiet. Ambos são feitos de extrato da droga. As novidades foram reveladas durante a feira internacional de bebidas Horecava.

Mas e o absinto? Dizem que a importação também foi proibida, por motivos semelhantes. Outra lenda? O que é verdade ou mentira no mundo dessa misteriosa bebida das fadas verdes (coincidentemente ou não, o novo licor também é verde). Vou pesquisar, e trago algo em breve. Mas se você sabe de algo, conta aí.

nv-author-image

Luís Celso Jr.

Luís Celso Jr. é jornalista e sommelier de cervejas premiado. Também é professor, juiz e consultor de cervejas. Leia mais sobre ele aqui e conheça oClube BarDoCelso.com aqui.

9 comentários em ““Dois dedinhos” sobre as bebidas alucinógenas”

  1. Essa bebida deve ser uma maravilha, vou passar a minha lua de mel da Holanda, fumar maconha nas praças e depois tomar alguns copos dessa bebida, logo em seguida fazer amor com minha esposa até não aguentar mais. Agora quem pensa que maconheiro é pobre o ladrão tá errado. VIVA A MACONHA! Amén!

  2. É super possível “diluir” o THC da maconha em bebidas de álcool, as moléculas do THC se prendem em álcool e gorduras, majoritariamente. 2 dias no mínimo descansando e você já possui uma bebida com THC, porém, quanto mais tempo melhor (quanto mais erva também, óbviamente). Porém não é recomendável para quem não conhece os efeitos experimentar de primeira, pois a pessoa pode ter ataques de esquizofrenia e depressão forte durante o efeito.

    Sobre absinto, existe até tráfico das ervas utilizadas para fazer a bebida circulando por ai, porém é bem escasso, pois além de caro, a procura é baixa, logo os lucros não compensam muito… Nunca experimentei absinto, espero experimentar antes de morrer 🙂

  3. Muito bom esse blog
    eu estou viajando para Holanda de férias
    e queria saber sobre o licor, que um amigo meu holandes me falou

    parabens pelo blog, voce esclareceu muito, valeu, vamo ve se esse licor é pórreta mesmo
    Tchau, saudaçoes baianas…

  4. quem discrimana a maconha e porque tem alguem na familia q ja usou. ate lula quer legalizar porque será que os outros são contra
    legalize jáaa
    viva a cannabis sativa

  5. alguem conheçe uma bebida que se chama yagi eu acho q é assim mesmo.. e se alguem souber favor me fla onde encontro???

  6. Eu Tive a oportunidade de experimentar o absinto recentemente, impulsionado por amigas que já haviam experimentado a bebida, seu gosto é característico de mistura de ervas realmente amargas, o poder alcoólico no Brasil é diferente dos encontrados fora do país aqui a bebida gira em torno dos 40ºvol sendo a original acima de 70ºvol, mais em questão de ser alucinógeno parece ser um pouco de mito, talvez a verdadeira bebida tenha esse poder, mais a ressaca dessa bebida é considerável.

  7. po slade ataques de esquizofrenia hahahaha vai estudar um pouco sobre esta doença antes de cagar pela boca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *