Sem categoria

O som de Istambul é muito brasileiro

Há algum tempo, por uma indicação certeira, conheci o trabalho de Fatih Akin, um cineasta alemão de origem turca. Ele tinha o cinema que eu estava precisando na época: diferente, criativo e autoral. Para não falar da temática. Esses dias vi “Atravessando a Ponte – O Som de Istambul” (Alemanha / Turquia: 2005) , documentário de Akin que retrata a musicalidade turca. E cheguei a conclusão que o som desse país, meio Europeu meio Asiático, é muito brasileiro.

Explico. Fica claro para mim no filme, feito meio aos moldes de “Buena Vista Social Club”, do também alemão Wim Wenders, que o sincretismo cultural dá o tom do país. Assim como no Brasil. A mistura de origens, influências, estrangeirismos, forma a singularidade da música turca. Assim como no nosso país. No entanto, nada é captado pelos turcos de forma estanque, como uma caixa quadrada e pronta (enlatado?!), só para ser reproduzida. Tudo é absorvido, relacionado e modificado.  Como o que acontece nas manifestações mais criativas e tradicionais aqui em terras tupiniquins.

O filme surge para Akin nos bastidores de “Contra a Parede”, que já ganhou o Urso de Ouro em Berlim, quando ele se impressiona com a música turca e a comunicação musical entre o clarinetista turco Selim Sesler e o músico alemão Alexander Hacke. Em “Atravessando a Ponte”, Hacke, desembarca em Istambul com um nini-estúdio para gravar, registrar, a música daquela terra. E nós o acompanhamos enquanto encontra pessoas, entrevista outras, grava, participa, conta e ouve histórias, etc.

Fica minha indicação para esses tempos de fim de ano. Está sem nada para fazer em casa? Quer assistir um bom filme? Veja “Atravessando a Ponte”. Com certeza você vai olhar a música brasileira de outra perspectiva depois. Isso para não dizer o básico: vai entender muito mais de música turca. =P


Ficou com vontade de comprar o filme? Use a segurança do Submarino. Se quer comparar preços, faça com o BuscaPé .

Luís Celso Jr.

Luís Celso Jr.

Luís Celso Jr. é jornalista e sommelier de cervejas premiado. Também é professor, juiz e consultor de cervejas

2 Comments

  • Raphael Rap disse:

    Pô cara valeu pela dica. Conhecer novos estilos musicais é bastante prazeiroso. Mas antes, já estou ouvindo o MySpace da galera que participou do filme. Oriental Dub já é uma característica que me deixou instigado…

  • Que bom que você gostou da dica, Rafal. O Oriental Dub foi um dos que mais me chamou atenção também. Adorei sua idéia de procurar as bandas no Myspace. Vou fazer também.

Leave a Reply