Artigos

Obama e a opção pela cerveja

By 04/08/2009julho 3rd, 2020One Comment
Saul Loeb/AFP
O policial James Crowley (centro) toma cerveja com o professor Gates (de óculos), Obama e o vice Joe Biden: fim da polêmica

Sempre gostei de pensar que ao pedir uma bebida não optamos somente pelo sabor, mas também pelo que ela significa. Assim, gostamos de um drink também pela lembrança de um bom momento que ele traz, associamos aquele licor a determinada pessoa ou ainda o aquela gasosa à infância. Num âmbito maior, menos pessoal, isso também ocorre. A sociedade encara o vinho, por exemplo, como uma bebida de requinte, por mais que existam cervejas tão finas quanto. É injusto, eu sei caros cervejeiros, mas faz parte.

Isso ficou ainda mais evidente para mim na semana passada, quando o presidente norte-americano Barack Obama foi criticado por beber uma determinada marca de cerveja enquanto tentava resolver, ou melhor, dispersar um perrengue. A confusão começa quando um professor universitário de Havard, negro, tenta arrombar a própria casa depois de perder as chaves. Um policial, branco, vê e prende o cidadão. O presidente, amigo do acadêmico, critica o oficial e a polêmica sobre racismo se institui. Para esfriar os ânimos, Obama convida todos para uma gelada nos jardins da Casa Branca.

Como se a história toda já não fosse inusitada o suficiente, no dia seguinte da chamada “cúpula da cerveja” grande parte dos comentários não foi a respeito da reunião em si, mas sobre a escolha das cervejas que cada um bebeu. Obama foi criticado por tomar a Bud Light, marca popular, originalmente americana, mas que hoje pertence a belgo-brasileira InBev. Os ofendidos dizem que sua escolha deveria ser mais nacional.

Por aí se vê a complicação que pode gerar a escolha da bebida errada. Mas apesar desse pequeno escorregão, acho que o objetivo dos marqueteiros da Casa Branca foi cumprido: a tensão se dispersou. No entanto, imagino o que teria acontecido se a escolha fosse mais errada. Alguma outra bebida que não a popular, plural e diplomática cerveja.

Talvez se fosse vinho francês a situação teria ares muito reflexivos, formais ou até filosóficos a nossos olhos. A mídia trataria com peso e um jantar seria quase indispensável. Se fosse italiano, era capaz de todos dançarem a Tarantela juntos ou, por outro lado, poderia iniciar uma discussão ao berros que terminaria com todos abraçados chorando como crianças e chamando uns aos outros de amigos de infância.

Uma outra opção seria o chá, mas aí teria que ser às 17h em ponto, pelo horário do Big Ben, e ficaria muito fora do happy hour. Se fosse vodka, bastaria misturar Coca-Cola que lembraria a guerra-fria. Uma péssima propaganda. Mas se fosse cachaça, bem, aí teriam que convidar o Lula, caso contrério nosso presidente ficaria chateado por não participar.

É, cerveja foi uma boa escolha.

Luís Celso Jr.

Luís Celso Jr.

Luís Celso Jr. é jornalista e sommelier de cervejas premiado. Também é professor, juiz e consultor de cervejas

One Comment

  • Heberthy Daijó disse:

    Cerveja brasileira, diga-se de passagem…
    a probabilidade é bem grande devido as fusões da Imbev.

    Abraço!

Leave a Reply