Carecas, calvos e suas teorias cabeludas

Ilustração/Gazeta do Povo

[Olá, pessoal. O Viver Bem publicou no domingo (12) um texto meu na seção Vida Crônica. Como tem tudo a ver com papo de bar, reproduzo aqui para apreciação de vocês. A pergunta que fica é, vocês gostariam de mais textos como este aqui no Bar do Celso? Comentem abaixo.]

Podem dizer que não se importam, que não faz diferença ou que não são vaidosos, mas um dos medos mais profundos do homem é ficar careca. Sei disso por experiência própria. Minha cobertura capilar vem diminuindo à medida que a idade aumenta e, com quase 30 anos, já estou em pânico. No atual momento tenho entradas bem acentuadas e um começo daquela desagradável “coroinha”. Várias ideias já passaram pela minha cabeça para suavizar o problema. Vão desde o uso constante de bonés ou chapéus até assumir meu cruel destino e raspar com máquina zero.

Apesar de saber que é genético e muito provavelmente inevitável, isso não me impediu de discutir o assunto algumas vezes em busca da solução. E o que mais me impressionou foram certas teorias cabeludas que surgem nessas conversas entre os de pouco cabelo e os especialistas, como dermatologistas e cabeleireiros.

Entre os de menor cobertura, que sabem da irreversibilidade da situação, reina a teoria da testosterona. Segundo eles, baseado em pesquisas científicas, a causa é o excesso do hormônio masculino no organismo. Logo, está explicado porque é dos carecas que elas gostam mais. Afinal, a calvície é sinal de que se trata de um “cabra macho”.

Com essa descoberta, a mesma Ciência criou remédios para controlar ou mesmo reverter a queda por meio do controle do hormônio. Mas os médicos não contavam com a grande rejeição, já que os riscos afetam um medo masculino ainda maior.

– Mas, meu amigo, são bem raras as ocorrências de impotência ou diminuição da libido em razão desse remédio.

– Nem pensar, doutor. Vai que sou premiado.

Outra teoria comum é que banho muito quente faz mal para os cabelos e o couro cabeludo. No entanto, no inverno de Curitiba, quem se arrisca a ter uma hipotermia? Alguns fios podem não fazer tanta diferença assim…

Já os cabeleireiros são sempre mais otimistas. Afinal, é a clientela que está em jogo. Perguntei para o meu como ele estava vendo a “situação”, de cima para baixo. Ele me tranquilizou dizendo que o “quadro” havia estacionado. Mais tarde, voltei a tocar no assunto.

– Sério? Então vou chegar a ficar grisalho um dia?

– Claro. Acredite, sou praticamente um expert nesses casos. Tenho anos de experiência no assunto.

Comecei a pensar que talvez não valesse a pena correr riscos com remédios ou virar picolé embaixo do chuveiro. Que aquilo tudo poderia ser somente algo da minha cabeça, literalmente, e…

– Então, doutor? Secamos o cabelo, não é? Dá mais volume. Ajuda a cobrir a “coroinha”…

Ou talvez deva aceitar alguns riscos.

Acompanhe o Bar do Celso nas mídias sociais

– Twitter: http://twitter.com/bardocelso

– Facebook: http://www.facebook.com/bardocelso

– YouTube: http://www.youtube.com/bardocelso

– Orkut: Comunidade eu frequento o Bar do Celso

nv-author-image

Luís Celso Jr.

Luís Celso Jr. é jornalista e sommelier de cervejas premiado. Também é professor, juiz e consultor de cervejas. Leia mais sobre ele aqui e conheça oClube BarDoCelso.com aqui.

6 comentários em “Carecas, calvos e suas teorias cabeludas”

  1. Ahahahaha, ótimo! Cara de filosofia de boteco, formato aprovadíssimo para o blog. Afinal, no bar todo mundo é especialista. Falando nisso, e aquele xampuzinho homeopático? Não tava resolvendo? Hehe! Beijo!

  2. Puxa, não coube esse detalhe na crônica, Valéria. Mas não estava mais fazendo efeito. Até a homeomapia me abandonou! =P

  3. Luiza Barbosa

    Ah, Celso, olha o teu tamanho! Você acha que aqui de baixo alguém consegue enxergar “coroinha”? 😉

    Em tempo, papo de boteco aleatório aprovado.

  4. claudio ribeiro

    cara…desencana

    eu desencanei quando soube, aso 23 anos, que era meu destino.
    e olha que sempre fui cabeludo até os 18, quando fui pro EB.
    Depois disso, nunca mais.

    de cara, ja faço o seguinte :
    barbeiro, passa a maquina 3, pra nao ter trabalho !

    abçs

    ah..to com 45

  5. @Luiza – Concordo que é complicado me ver de cima para baixo, mas há ocasiões em que acontece. Já me sinto desconfortável por isso =P

    @Claudio – Obrigado pelas palavras de alento, cara. Também corto curto para não ter problemas. Mas que é uma situação por vezes chata, isso é =P

  6. Texto aprovado para o blog.
    Eu ainda acredito na teoria do mendigo. Não lavar a cabeça, pq a maioria dos mendigos são cabeludo, heheheh
    Fora isso eu ja to acostumando com o destino, considerando que meu pai, tios, primos, e por ai vai, sao carecas…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *